Pular para o conteúdo principal

milk and honey, poesia que li meia noite

Eu adoro poesia, principalmente esses livros de poesia que em uma hora ele tá resolvido. Principalmente quando a gente pode se identificar. E ambas as coisas são presentes no livro. Além dele ser fácil. Quer dizer, o livro foi recentemente traduzido para o português, e eu não o li, apenas na língua original, mas devo dizer que meu inglês não é tão elevado, e mesmo assim, a linguagem foi fácil.

O livro também conta com ilustrações muito bonitas, que torna a leitura mais... bonita?

Bem, é isso, é poesia. Não tenho muito o que falar. apenas, leiam.
Resultado de imagem para rupi kaur
Informações sobre o livro:
Autora: Rupi Kaur
Título: Milk and Honey (original); Outros jeitos de usar a boca;
Editora (do livro no Brasil): Planeta do Brasil

MINHA NOTINHA: 5/5

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

em algum lugar nas estrelas ouvindo billie holiday

Nota desnecessária: tive muita sorte de lê-lo em dia de chuva, porque quando chove é sempre Billie Holiday.
Jack, um menino que perdeu sua mãe e não se sente confortável com seu pai, recém chegado da guerra, vai para um colégio interno. Há o estranhamento inicial. Há aquela admiração sobre a lenda do colégio, Fish. Há Early Auden, o mais estranho de todos os garotos.
Early escuta Mozart nos domingos, Louis Armstrong nas segundas, Frank Sinatra nas quartas, Glenn Miller as sextas, e não escuta nada nas terças, quintas e sábados. Bem, isso se não estiver chovendo, porque quando chove é sempre Billie Holiday. Early também sabe construir barcos e lê a história de pi (o número pi). E ele precisa provar que uma teoria que diz que o pi acaba está errada, porque não é verdade, e pi está apenas perdido.

Early resolve então entrar em uma cruzada, a procura de pi. Por não querer ficar sozinho na escola durante o feriado, Jack se junta a Early nessa cruzada, mesmo não acreditando de verdade nela.


mosquitolândia e choros de alegria, tristeza, reconhecimento....

É preciso registrar, antes de mais nada, que eu chorei. E chorei por todos os motivos possíveis. Uma incrível variedade de choros. Choro de alegria, choro por causa da amizade, choro de tristeza, e choro de me reconhecer na personagem. Choro por causa da vida, basicamente. O que é inevitável, desde que o livro fala basicamente sobre amor.
Ou pelo menos, é o que eu acho.
Mim, baseada nos seus problemas familiares de separação dos pais, mudança de cidade, "madrasta má", entra em um ônibus em direção a Cleveland, atrás de sua mãe, que, bem, é o principal motivo para ela ir pra Cleveland. Na verdade, há vários motivos, mas isso cabe a Mim. Os motivos são apresentados enquanto ela escreve a Isabel, em um diário, com desenhos de palitinho.

Mary Iris Malone é uma menina de dezesseis anos que se descreve como uma anomalia. Acredita-se que ela tenha problemas mentais, por causa de registros na família. Ela é cega de um olho só. Ela tem problema na epiglote. Ela é meio isolada. Mas, n…